Móveis em Áreas Externas dos condomínios

O principal intuito dos ambientes de convívio em áreas externas dos condomínios é promover o lazer do condômino, seja  aproveitando o dia lendo um livro, indo a piscina ou recebendo seus amigos. Por isso, os móveis que constituem as áreas externas devem oferecer beleza, conforto e durabilidade, e por estarem sempre expostos ao ambiente, além dos cuidados básicos, a qualidade do mobiliário deve ser superior à dos móveis comuns.

Confira neste post, alguns cuidados em relação aos móveis da área externa do condomínio.

Cuidados essenciais

Embora o mercado ofereça produtos de qualidade, é papel do condomínio também cuidar da limpeza e da manutenção dos móveis. Além das orientações de preservação dos fornecedores, a limpeza dos móveis com água e sabão neutro deve acontecer periodicamente, evitando o uso de produtos muito abrasivos que podem danificar ou manchar a mobília.

O uso de lustrantes e ceras também auxiliam na preservação dos móveis. Outra dica importante é a utilização de verniz náutico em móveis de madeira, pelo menos uma vez por ano, para proteger e prolongar a vida útil do móvel.

A regulamentação de uso para os móveis das áreas comuns, também é essencial. O investimento nesses móveis pode ser grande, e é importante que os condôminos se conscientizem do bom uso da mobília já que pertence a todos no condomínio, ao causar qualquer dano de mal uso, o condômino deve assumir a responsabilidade e arcar com as despesas do estrago feito. Aviso redobrado aos fumantes, já que alguns materiais queimam ao contato com cigarro.

Móveis revestidos com tecidos ou com almofadas, normalmente não podem ficar expostos a chuvas ou ao sol, por isso, esses tipos móveis devem ficar protegidos da chuva, seja numa varanda ou área coberta, para evitar a correria de serem retirados sempre que chove e, para não correr o risco de ficarem danificados, se acaso esquecidos no tempo.

Tipos de materiais

Os móveis para áreas externas podem ser encontrados em diversos tipos de materiais, como por exemplo, a fibra sintética, madeira, alumínio, ferro, plástico e até mesmo concreto e diferente da mobília comum esse tipo de móvel passa por uma série de tratamentos para o aumento de sua durabilidade diante da exposição ao tempo.

Os móveis de alumínio são bastante versáteis e econômicos, além do alumínio não ser um material pesado, não perde a cor e é ideal para ficar ao ar livre. Os móveis de fibras sintéticas, como a resina ou o plástico, além de possuir uma infinidade de cores e formas, também são mais econômicos e suportam as mudanças de clima e temperatura. Tanto o alumínio, quanto o plástico, não oxidam, diferente do ferro que, apesar da sua resistência, enferruja com o passar do tempo.

Os móveis de madeira também são uma excelente escolha, pois combinam tanto em decorações mais rústicas quanto sofisticadas. Quando expostas ao tempo, devem receber um tratamento de impermeabilização. A mais indicada é a madeira teca que além de ser muito resistente, contém óleos naturais em sua composição que ajudam a aguentar climas úmidos e baixas temperaturas.

Móveis de rattan, além serem muito resistentes não necessitam de uma limpeza especial, tornando-os uns dos mais procurados. Os móveis de tela encantam pelo conforto, beleza e leveza do material, mas encontra-se no preço o maior inconveniente.

Para móveis que levam tecido é interessante o uso dos impermeáveis como o vinil ou couro náutico, com enchimento anti-fungo ou mofo qu, além de fazer com que os líquidos escoem, evitam o mal cheiro ou não deixam mofar o móvel. O mercado ainda oferece tecidos que não desbotam, que é o caso dos tecidos fabricados de polipropileno e outros tipos, além de outros tipos de  tecidos sintéticos que recebem tratamentos, como contra raios UV, anti-mofo e bactericida.

Aquisição

Os móveis de uso na área externa possuem uma durabilidade de 5 anos em média, e quando é necessário a troca, uma das maiores preocupações do síndico na hora da compra, além da preocupação com o tipo do material e a resistência do móvel, é se essa aquisição está ou não dentro do orçamento do condomínio. Hoje no mercado existem tanto as opções sofisticadas, quanto as mais simples, que também entregam beleza, conforto e durabilidade nos produtos. O importante é ficar atento e remanejar as opções, levando em assembleia para aprovação.

No momento de compra também é fundamental que o síndico peça garantia ao fabricante, mesmo que bem cuidados, algum desses móveis podem vir com alguma alteração capaz de prejudicar sua durabilidade.

Outra dica é buscar móveis mais práticos, por exemplo, no uso da churrasqueira podem se incluir cadeiras e mesas empilháveis ou dobráveis, que ocupam menos espaço para guardar e são fáceis de carregar para o uso em outra área comum quando necessário, como o salão de festas.

Se o síndico não se sente seguro para fazer a compra sozinho, para evitar erros é interessante o auxílio de um profissional qualificado, assim ele poderá apresentar ao condomínio as melhores soluções para a decoração dos espaços. Para isso, é importante o  síndico orçar um projeto pelo menos três profissionais para que sejam votados em assembleia.

Gostou desse conteúdo? Tem muito mais! Fique por dentro de tudo sobre gestão condominial no Síndicos Planning.

DEIXE UMA RESPOSTA

Insira seu comentário!
Seu nome